Skip to main content
Read about

Por que a dor abdominal piora com o movimento

Se a dor de estômago piorar quando você se movimenta, pode ser apenas uma cólica, mas também pode ser um sinal de apendicite, diverticulite, pancreatite ou úlcera estomacal.
·
Uma mulher sentindo dor abdominal depois de se mover
Tooltip Icon.
Written by Andrew Le, MD.
Medically reviewed by
Clinical Physician Assistant, Summit Health
Last updated October 1, 2021

Teste de dor abdominal

Faça um teste para descobrir o que está causando sua dor.


8 most common cause(s)

Úlcera estomacal
Doença de Crohn
Apendicite
Doença inflamatória pélvica
Gravidez ectópica
Diverticulite
Pancreatite
Illustration of a health care worker swabbing an individual.
Esophageal perforation

Teste de dor abdominal

Faça um teste para descobrir o que está causando sua dor.

Faça o teste sobre dor abdominal

9 causas de dor abdominal que piora com o movimento

Abdome agudo

Abdômen agudo refere-se a dor abdominal súbita e intensa que é considerada uma emergência médica, exigindo diagnóstico imediato e, muitas vezes, intervenção cirúrgica urgente. Pessoas de ambos os sexos e de todas as idades correm risco de abdome agudo porque pode ter causas muito variadas.

Úlcera estomacal

Aúlcera péptica ou úlcera gástrica é uma ferida aberta que se forma quando ocorre inflamação no revestimento do estômago.

Esta inflamação do estômago é causada pela bactéria Helicobacter pylori (H. pylori) e pelo uso prolongado de analgésicos como ibuprofeno ou aspirina. A inflamação crônica permite que o ácido danifique o revestimento do estômago e possa formar uma úlcera.

Fumar, beber álcool, estresse e alimentos picantes podem agravar as úlceras, mas não as causam.

Os sintomas incluem dor ardente no estômago; azia; náusea; e inchaço.

A dor pode piorar entre as refeições ou à noite. Os antiácidos só funcionam por um curto período de tempo. Pode haver sangue vermelho escuro no vômito ou nas fezes.

Se não forem tratadas, as úlceras podem sangrar e causar anemia. Eles podem perfurar o estômago e causar peritonite (infecção grave da cavidade abdominal).

O diagnóstico é feito através de exame físico e testes de respiração e fezes para H. pylori. A endoscopia às vezes é usada.

O tratamento envolve uma série de antibióticos para matar as bactérias e medicamentos para bloquear o excesso de ácido e curar o estômago.

Raridade: Incomum

Principais sintomas: fadiga, náusea, perda de apetite, dor abdominal moderada, cólicas abdominais (cólicas estomacais)

Sintomas que nunca ocorrem com úlcera estomacal: dor no abdômen inferior esquerdo

Urgência: Médico de cuidados primários

Doença inflamatória pélvica

Doença inflamatória pélvica, ou PID, é o termo geral para uma infecção bacteriana dos órgãos reprodutivos de uma mulher.

A IDP é mais frequentemente uma complicação de uma doença sexualmente transmissível (DST), como gonorreia ou clamídia. No entanto, é possível obter PID por outras causas.

Qualquer mulher pode ser afetada. É mais frequentemente encontrada em mulheres sexualmente ativas com menos de 25 anos, especialmente aquelas que já tiveram IDP antes, têm múltiplos parceiros e/ou tomam banho com frequência.

Os sintomas incluem febre, dor abdominal inferior, corrimento vaginal com mau cheiro, dor e/ou sangramento durante o sexo e dor ao urinar.

A IDP não tratada pode causar infertilidade devido a danos nos tecidos do trato reprodutivo, bem como dor pélvica e abdominal crônica. Parceiros sexuais desprotegidos também serão infectados.

O diagnóstico é feito por meio de sintomas, exame pélvico, esfregaços vaginais e cervicais e exames de urina.

O tratamento é feito com antibióticos. Certifique-se de terminar toda a medicação conforme as instruções, mesmo quando começar a se sentir melhor.

Para prevenir IDP, faça com que todos os parceiros (homens ou mulheres) sejam testados para DSTs e evite contato sexual desprotegido.

Raridade: Comum

Principais sintomas: febre, dor abdominal ou corrimento vaginal incomum, corrimento vaginal, náusea ou vômito, sangramento vaginal, dor pélvica

Sintomas que sempre ocorrem com doença inflamatória pélvica: febre, dor abdominal ou corrimento vaginal incomum

Urgência: Visita presencial

Inflamação intestinal (diverticulite)

Quando a passagem do alimento através do cólon se torna lenta, o alimento pode estagnar, aumentar de volume, criar pressão e causar a formação de divertículos – ou bolsas – nas paredes do intestino grosso. Se essas bolsas ficarem inflamadas, a condição é chamadadiverticulite.

Os fatores de risco são dieta pobre em fibras, tabagismo, obesidade, constipação crônica e falta de bactérias “boas” no intestino.

Pacientes com mais de 50 anos, com história prévia de doença inflamatória do cólon, são mais suscetíveis.

Os sintomas incluem dor abdominal persistente; febre; nausea e vomito; e constipação às vezes alternando com diarréia.

Se não for tratada, a diverticulite pode causar obstrução intestinal e cicatrizes. Pode ocorrer a ruptura de uma bolsa inflamada, levando à peritonite. Estas são emergências médicas. Se houver suspeita, leve o paciente ao pronto-socorro ou ligue para 9-1-1.

O diagnóstico é feito descartando outras condições por meio do exame físico; exames de sangue, urina e fezes; e tomografia computadorizada.

Os casos menos graves são tratados com dieta rica em fibras, líquidos, probióticos, antibióticos e controle do estilo de vida. Outros podem necessitar de antibióticos intravenosos e/ou cirurgia.

Raridade: Incomum

Principais sintomas: dor abdominal (dor de estômago), náusea, perda de apetite, diarréia, prisão de ventre

Sintomas que nunca ocorrem com inflamação intestinal (diverticulite): dor abaixo das costelas, dor no abdômen superior direito

Urgência: Pronto-socorro hospitalar

Perfuração esofágica

Uma perfuração esofágica é um buraco no esôfago. O esôfago é o tubo pelo qual o alimento passa quando vai da boca ao estômago.

Você deve procurar atendimento médico imediato em um pronto-socorro! Isto é uma emergência médica! Um esôfago perfurado pode causar uma infecção maciça e requer diagnóstico imediato (imagem) e tratamento (fluidos, antibióticos, possivelmente reparo cirúrgico).

Raridade: Ultra raro

Principais sintomas: estar gravemente doente, falta de ar, dor no peito, febre, dificuldade em engolir

Sintomas que sempre ocorrem com perfuração esofágica: estar gravemente doente

Urgência: Pronto-socorro hospitalar

Gravidez ectópica

Gravidez ectópica, ou gravidez tubária, significa que um óvulo fertilizado não foi implantado no útero como deveria. Em vez disso, fixou-se noutro local – geralmente dentro de uma das trompas de falópio.

A condição é causada por cicatrizes e danos à trompa de Falópio causados por doença ou lesão inflamatória pélvica; por desequilíbrio hormonal; ou possivelmente por desenvolvimento anormal do óvulo fertilizado. Outros fatores de risco incluem tabagismo, uso de DIU e uso de medicamentos para fertilidade.

Os primeiros sintomas incluem sangramento vaginal leve, desconforto pélvico e, às vezes, dor referida no ombro. Os sintomas posteriores incluem dor súbita e intensa em um lado da parte inferior do abdômen, sangramento vaginal, dor nos ombros e desmaios.

A trompa de Falópio não pode acomodar uma gravidez em crescimento. Eventualmente, ele irá romper, causando sangramento descontrolado no abdômen. SeGravidez ectópica houver suspeita, leve o paciente ao pronto-socorro ou ligue para 9-1-1.

O diagnóstico é feito através de exame pélvico, exames de sangue e ultrassonografia.

O tratamento quase sempre requer cirurgia, embora em alguns casos possam ser usados medicamentos.

A prevenção envolve evitar a doença inflamatória pélvica praticando sempre sexo seguro.

Surto da doença de Crohn

Doença de Crohn é uma inflamação do intestino. É causada por uma resposta defeituosa do sistema imunológico que faz com que o corpo ataque o revestimento do intestino.

A doença geralmente aparece antes dos trinta anos e pode afetar qualquer pessoa. Aqueles com histórico familiar podem ser mais suscetíveis. Fumar é um fator de risco conhecido.

Os fatores agravantes incluem estresse, dieta inadequada e medicamentos antiinflamatórios não esteróides, como ibuprofeno e aspirina.

Os primeiros sintomas geralmente se desenvolvem gradualmente, mas podem aparecer repentinamente. Estes incluem fadiga, perda de apetite, febre, feridas na boca, diarreia, dor abdominal e sangue nas fezes.

A doença de Crohn não tratada pode causar úlceras em todo o trato digestivo, bem como obstrução intestinal, desnutrição e deterioração da saúde geral.

O diagnóstico é feito através de exame de sangue e exame de amostra de fezes. Colonoscopia, tomografia computadorizada, ressonância magnética, endoscopia e/ou enteroscopia também podem ser usadas.

A doença de Crohn não pode ser curada, mas pode ser controlada através da redução da inflamação. Antibióticos, corticosteróides e supressores do sistema imunológico podem ser tentados. Excelente nutrição, suplementos vitamínicos, cessação do tabagismo e redução do estresse podem ser úteis.

Raridade: Cru

Principais sintomas: fadiga, náusea, inchaço no estômago, perda de apetite, cólicas abdominais (cólicas estomacais)

Urgência: Visita presencial

Apendicite

A apendicite é uma inflamação do apêndice, a pequena bolsa em forma de dedo que se projeta do cólon, no lado inferior direito do abdômen.

A inflamação é causada por qualquer coisa que bloqueie ou irrite a abertura ou as paredes do apêndice, como fezes duras ou danos causados por outras doenças intestinais. O apêndice bloqueado pode inchar rapidamente com bactérias e pus.

A apendicite é mais comum entre os 13 e os 30 anos, mas pode acontecer a qualquer pessoa.

Os sintomas incluem dor súbita e intensa no abdômen que começa perto do umbigo e logo se move para o lado inferior direito. Pode haver febre baixa; nausea e vomito; sentindo-se inchado; e constipação ou diarréia.

Se não for tratado, um apêndice infectado pode romper e causar uma infecção abdominal com risco de vida, chamada peritonite. Isso é por queapendicite é uma emergência médica. Se houver suspeita, leve o paciente ao pronto-socorro ou ligue para 9-1-1.

O diagnóstico é feito através da história do paciente, exame físico, exames de sangue e urina e exames de imagem, como ultrassom ou raio-x.

Um apêndice inflamado deve ser removido cirurgicamente o mais rápido possível.

Pancreatite aguda

Pancreatite aguda é a inflamação do pâncreas, que cria e libera insulina e glucagon para manter estáveis os níveis de açúcar no sangue. Também cria as enzimas que digerem os alimentos no intestino delgado. Quando essas enzimas são acidentalmente ativadas no pâncreas, elas digerem o próprio pâncreas, causando dor e inflamação.

Você deveria ir ao pronto-socorro. Lá, o diagnóstico é feito por meio de exame físico, exames de imagem e exames de sangue. O tratamento geralmente envolve fluidos intravenosos (IV) e medicamentos para controlar a dor.

Raridade: Cru

Principais sintomas: dor abdominal constante, náuseas ou vómitos, estar gravemente doente, dor abdominal intensa, febre

Sintomas que sempre ocorrem na pancreatite aguda: dor abdominal constante

Urgência: Pronto-socorro hospitalar

Perguntas que seu médico pode fazer sobre dor abdominal que piora com o movimento

  • Alguma febre hoje ou durante a última semana?
  • Você sentiu alguma náusea?
  • Você perdeu o apetite recentemente?
  • Você tem se sentido mais cansado do que o normal, letárgico ou fatigado apesar de dormir normalmente?

Faça o autodiagnóstico com nosso aplicativo gratuitoAssistente de Bóia se você responder sim a alguma dessas perguntas.

Dor abdominal que piora com as estatísticas do verificador de sintomas de movimento

Pessoas que sentiram dor abdominal que piora com o movimento também experimentaram:

  • 14%Dor abdominal (dor de estômago)
  • 6%Dor no abdômen inferior esquerdo
  • 5%Náusea

Pessoas que sentiram dor abdominal que piora com o movimento foram mais frequentemente comparadas com:

  • 37%Apendicite
  • 37%Abdômen Agudo
  • 25%Úlcera estomacal

Pessoas que sentiram dor abdominal que piora com o movimento tiveram sintomas persistentes para:

  • 41%Menos de um dia
  • 34%Menos do que uma semana
  • 11%Mais de um mês

Fonte: Resultados agregados e anonimizados deAssistente de Bóia.

Share your story
Once your story receives approval from our editors, it will exist on Buoy as a helpful resource for others who may experience something similar.
The stories shared below are not written by Buoy employees. Buoy does not endorse any of the information in these stories. Whenever you have questions or concerns about a medical condition, you should always contact your doctor or a healthcare provider.
Clinical Physician Assistant, Summit Health
Jeff brings to Buoy 20 years of clinical experience as a physician assistant in urgent care and internal medicine. He also has extensive experience in healthcare administration, most recently as developer and director of an urgent care center. While completing his doctorate in Health Sciences at A.T. Still University, Jeff studied population health, healthcare systems, and evidence-based medicine....
Read full bio

Was this article helpful?

Tooltip Icon.
Read this next
Slide 1 of 3