Skip to main content
Read about

Azia: conheça os sintomas e como obter alívio rápido

·
Estômago rosa meio cheio de líquido verde. Bolhas verdes salpicam todo o estômago.
Tooltip Icon.
Last updated August 5, 2023

Teste de azia

Faça um teste para descobrir o que está causando sua azia.

Se sentir queimação no peito depois de comer, você pode ter azia. Várias condições podem causar azia ou piorá-la.

7 most common cause(s)

Úlcera estomacal
Illustration of various health care options.
Espasmos Esofágicos
DRGE
Illustration of a health care worker swabbing an individual.
Dispepsia
Illustration of various health care options.
Barrett's esophagus
Illustration of a person thinking with cross bandaids.
Achalasia
SII

Teste de azia

Faça um teste para descobrir o que está causando sua azia.

Faça o teste sobre azia

Sintomas de azia

Você acabou de dormir e está começando a relaxar, mas então sente uma sensação de queimação no peito. Você se senta e parece melhorar. Mas assim que você se deita, a dor volta. Se você já passou por isso antes, pode creditar a queimação e o desconforto aoazia. A azia ocorre quando o ácido do estômago sobe para o esôfago e queima seu revestimento.

Sintomas acompanhantes comuns

Se você estiver com azia, também é provável que sinta:

  • Sensação de queimação no peito: Localizado atrás do esterno
  • Desconforto que normalmente se apresenta depois de comer
  • Dor no peito ou pressão: Muitas vezes atrás do esterno
  • Queimando na garganta
  • Sabor(es) estranho(s): Como fluido azedo, ácido ou salgado em direção à garganta
  • Sentir como se a comida estivesse presa na garganta
  • Regurgitando comida ou arrotos frequentes

Se você sentir sintomas de azia apenas ocasionalmente, não está sozinho e provavelmente não precisa se preocupar com um problema médico subjacente. Se você está lutando contra azia diariamente ou perto disso, consulte um médico.

Causas de azia

Os detalhes a seguir podem ajudá-lo a entender melhor os sintomas de azia. Você deve consultar um médico para azia persistente ou agravada e um diagnóstico adequado.

Causas ambientais

Você pode estar sentindo azia devido a hábitos de vida ou a determinados eventos.

  • Estresse: Se você se encontra sob enorme estresse regularmente,azia pode começar a ocorrer com frequência, mesmo que você nunca tenha experimentado isso antes.
  • Hábitos alimentares: Comer alimentos picantes, alho, frutas cítricas, alimentos fritos ou gordurosos, cebola, tomate, molho de tomate, pizza ou chocolate pode causar azia. Beber suco de tomate, suco de frutas cítricas, bebidas com cafeína, refrigerantes ou álcool também pode causar azia. A azia é mais provável se você comer logo antes de dormir, fizer lanches à meia-noite ou comer depois de beber álcool.
  • Estar acima do peso: A obesidade causa uma variedade de problemas, incluindo azia.
  • Fumar: Esta é uma grande causa de sintomas frequentes de azia.

Causas médicas

A azia pode estar relacionada a outras condições médicas, como as seguintes.

  • Doença de refluxo ácido: O refluxo ácido pode ser causado por problemas anatômicos no estômago e no esôfago, como uma hérnia de hiato. Isso acontece quando a parte superior do estômago sobe para o tórax e permite que o ácido estomacal entre facilmente no esôfago. Isso geralmente é causado por uma disfunção no esfíncter, ou músculo, que impede que o conteúdo do estômago volte para o esôfago.
  • Úlcera péptica: A azia é um problema comum em pessoas com úlceras.
  • Gravidez: A azia é um sintoma comum da gravidez. Embora seja irritante, geralmente desaparece imediatamente após o parto.
  • Doença cardíaca ou ataque cardíaco: Às vezes as pessoas sentem que estão com azia, quando na verdade é umaataque cardíaco. Se você está tendodor no peito, isso precisa de atenção médica imediata.

Esta lista não constitui aconselhamento médico e pode não representar com precisão o que você tem.

Indigestão (dispepsia)

A indigestão, também chamada de dor de estômago, dispepsia ou dispepsia funcional, não é uma doença, mas um conjunto de sintomas muito comuns. Nota: A azia é uma condição separada.

As causas comuns são comer demais ou muito rapidamente; alimentos gordurosos ou condimentados; exagerar na cafeína, álcool ou bebidas carbonatadas; fumar; e ansiedade. Alguns antibióticos, analgésicos e suplementos vitamínicos/minerais podem causar indigestão.

Os sintomas mais comuns são dor, desconforto e inchaço na parte superior do abdômen logo após comer.

A indigestão que dura mais de duas semanas e não responde ao tratamento simples pode indicar uma condição mais grave. A dor abdominal superior que se irradia para a mandíbula, pescoço ou braço é uma emergência médica.

O diagnóstico é feito através da história do paciente e do exame físico. Se os sintomas começarem repentinamente, podem ser solicitados exames laboratoriais de sangue, respiração e fezes. Endoscopia digestiva alta ou radiografia abdominal podem ser realizadas.

Para dispepsia funcional – indigestão “comum” – o tratamento e a prevenção são os mesmos. Comer cinco ou seis refeições menores por dia com alimentos mais leves e simples; controlando o estresse; e encontrar alternativas para alguns medicamentos proporcionará alívio.

Raridade: Comum

Principais sintomas: náuseas, distensão abdominal, sintomas dispépticos, distensão abdominal após as refeições, vómitos

Sintomas que sempre ocorrem com indigestão (dispepsia): sintomas dispépticos

Sintomas que nunca ocorrem com indigestão (dispepsia): vômito de sangue (velho) ou fezes com alcatrão, sangramento retal, diarréia com sangue, febre

Urgência: Autotratamento

Úlcera estomacal

Aúlcera péptica ou úlcera gástrica é uma ferida aberta que se forma quando ocorre inflamação no revestimento do estômago.

Esta inflamação do estômago é causada pela bactéria Helicobacter pylori (H. pylori) e pelo uso prolongado de analgésicos como ibuprofeno ou aspirina. A inflamação crônica permite que o ácido danifique o revestimento do estômago e possa formar uma úlcera.

Fumar, beber álcool, estresse e alimentos picantes podem agravar as úlceras, mas não as causam.

Os sintomas incluem dor ardente no estômago; azia; náusea; e inchaço.

A dor pode piorar entre as refeições ou à noite. Os antiácidos só funcionam por um curto período de tempo. Pode haver sangue vermelho escuro no vômito ou nas fezes.

Se não forem tratadas, as úlceras podem sangrar e causar anemia. Eles podem perfurar o estômago e causar peritonite (infecção grave da cavidade abdominal).

O diagnóstico é feito por meio de exame físico e testes de respiração e fezes para H. pylori. A endoscopia às vezes é usada.

O tratamento envolve uma série de antibióticos para matar as bactérias e medicamentos para bloquear o excesso de ácido e curar o estômago.

Espasmo do esôfago

O esôfago é o tubo muscular que passa atrás do coração e transporta alimentos, líquidos e saliva da boca ao estômago. Em uma condição chamadaespasmo esofágico difuso (DES), o tubo se contrai incontrolavelmente, causando dificuldade para engolir e dor no peito.

Você deve visitar seu médico de atenção primária se a dor que estiver sentindo for intensa. Alguns medicamentos prescritos (como trazodona e bloqueadores dos canais de cálcio) podem ajudar.

Raridade: Ultra raro

Principais sintomas: tosse seca, dor profunda no peito, atrás do esterno, azia, dificuldade em engolir, dor no peito em queimação

Sintomas que nunca ocorrem com espasmo do esôfago: falta de ar

Urgência: Médico de cuidados primários

Dor abdominal normal

A queixa de dor e desconforto abdominal, sem causa aparente, é uma das mais comuns na medicina. É o principal motivo para os pacientes visitarem um médico ou o pronto-socorro.

A causa da dor abdominal pode ser difícil de encontrar, porque pode ser apenas uma dor abdominal completamente normal ou vir de muitas fontes diferentes: o trato digestivo, o trato urinário, o pâncreas, a vesícula biliar ou os órgãos ginecológicos.

A dor pode ser simplesmente causada por nervos excessivamente sensíveis no intestino. Essa hipersensibilidade pode ocorrer após lesões abdominais repetidas e/ou pode ter causa emocional devido ao medo da própria dor.

O diagnóstico é feito através do exame físico, histórico do paciente e simplesmente descartando qualquer outra condição. A tomografia computadorizada é frequentemente solicitada, mas raramente consegue encontrar uma causa específica. Os benefícios devem ser ponderados em relação aos riscos da radiação.

O tratamento envolve primeiro fazer as melhorias necessárias no estilo de vida em relação à dieta, exercícios, trabalho e sono, a fim de reduzir o estresse. Em alguns casos, aconselhamento, hipnose, analgésicos leves e antidepressivos são úteis.

Síndrome do intestino irritável (SII)

Síndrome do intestino irritável é comumente conhecido como IBS. Normalmente, os músculos do cólon, ou intestino grosso, contraem-se e relaxam para empurrar o alimento. Pensa-se que na SII os músculos se contraem aleatoriamente com muita força ou com muita fraqueza e, portanto, causam episódios alternados de diarréia ou prisão de ventre.

A causa exata não é conhecida. Alergia/intolerância alimentar; estresse; Desequilíbrio hormonal; e infecção ou crescimento bacteriano excessivo no cólon podem desempenhar um papel, bem como um sistema nervoso gastrointestinal excessivamente sensível.

Mulheres na pré-menopausa que sofrem de depressão ou levam vidas muito estressantes podem ser mais suscetíveis.

Os sintomas variam entre os indivíduos e muitas vezes vêm e vão. Estes incluem dores abdominais e cólicas; inchaço; gás; diarréia; e prisão de ventre. A SII não está associada a doenças graves como o câncer, mas os sintomas podem interferir na qualidade de vida.

O diagnóstico é feito através da história do paciente, exame físico e exclusão de qualquer outra causa. Imagens também podem ser feitas.

O tratamento começa com uma dieta melhorada e controle do estresse. Antibióticos, antidepressivos e outros medicamentos podem ser tentados.

Dispepsia/indigestão funcional

Indigestão, também chamada de dor de estômago, dispepsia ou dispepsia funcional, não é uma doença, mas um conjunto de sintomas muito comuns. Nota: A azia é uma condição separada.

As causas comuns são comer demais ou muito rapidamente; alimentos gordurosos ou condimentados; exagerar na cafeína, álcool ou bebidas carbonatadas; fumar; e ansiedade. Alguns antibióticos, analgésicos e suplementos vitamínicos/minerais podem causar indigestão.

Os sintomas mais comuns são dor, desconforto e inchaço na parte superior do abdômen logo após comer.

A indigestão que dura mais de duas semanas e não responde ao tratamento simples pode indicar uma condição mais grave. A dor abdominal superior que se irradia para a mandíbula, pescoço ou braço é uma emergência médica.

O diagnóstico é feito através da história do paciente e do exame físico. Se os sintomas começarem repentinamente, podem ser solicitados exames laboratoriais de sangue, respiração e fezes. Endoscopia digestiva alta ou radiografia abdominal podem ser realizadas.

Para dispepsia funcional – indigestão “comum” – o tratamento e a prevenção são os mesmos. Comer cinco ou seis refeições menores por dia com alimentos mais leves e simples; controlando o estresse; e encontrar alternativas para alguns medicamentos proporcionará alívio.

Raridade: Comum

Principais sintomas: inchaço do estômago, náuseas, sintomas dispépticos, inchaço após as refeições, vómitos

Sintomas que sempre ocorrem com dispepsia/indigestão funcional: sintomas dispépticos

Sintomas que nunca ocorrem com dispepsia/indigestão funcional: vômito de sangue (velho) ou fezes com alcatrão, sangramento retal, diarréia com sangue, febre

Urgência: Médico de cuidados primários

Esôfago de Barrett

O esôfago de Barrett é uma condição na qual o tecido que reveste o esôfago muda. Essas alterações ocorrem após refluxo gastroesofágico de longa duração. Os sintomas do refluxo gastroesofágico podem ser regurgitação, azia. O esôfago de Barrett está associado ao risco de desenvolver doença esofágica maligna.

Você deve visitar seu médico de atenção primária para discutir esses sintomas e se o rastreamento dessa condição é útil. Seu médico provavelmente irá aconselhá-lo a iniciar ações preventivas se houver risco de desenvolver esôfago de Barrett. Essas ações geralmente incluem ajustes no estilo de vida e medicamentos.

Raridade: Comum

Principais sintomas: náusea, regurgitação, azia, dor de garganta, tosse seca

Urgência: Médico de cuidados primários

Inflamação autoimune do esôfago

Esta condição, oficialmente conhecida como esofagite eosinofílica, ocorre quando um certo tipo de glóbulo branco (eosinófilo) se acumula no revestimento do tubo que liga a boca ao estômago. O acúmulo leva à inflamação do tecido, causando dor e dificuldade para engolir.

Você deve visitar seu médico de atenção primária para tratar esta condição. Este é um distúrbio imunológico e geralmente é tratado com corticosteróides.

Doença do refluxo ácido (DRGE)

A doença do refluxo gastroesofágico também é chamadaDRGE, doença de refluxo ácido e azia. É causada por um enfraquecimento do músculo no final do esôfago. Isso permite que o ácido estomacal flua para trás, ou reflua, para o esôfago.

Os fatores de risco para DRGE incluem obesidade, tabagismo, diabetes, hérnia de hiato e gravidez.

Os sintomas incluem uma sensação dolorosa de queimação no peito e na garganta e, às vezes, dificuldade para engolir.

Se a azia ocorrer mais de duas vezes por semana, um médico deve ser consultado. Se os sintomas forem acompanhados de dor no maxilar ou no braço e/ou falta de ar, estes podem ser sinais de ataque cardíaco e constituem uma emergência médica.

A exposição repetida ao ácido estomacal danifica o revestimento do esôfago, causando sangramento, dor e tecido cicatricial.

O diagnóstico é feito pela história do paciente e, às vezes, por radiografia, endoscopia digestiva alta ou outros exames para medir o ácido refluxado.

O tratamento começa com antiácidos de venda livre e mudanças no estilo de vida. Podem ser usados medicamentos para reduzir a acidez estomacal e pode ser realizada cirurgia para fortalecer o músculo esfincteriano na extremidade inferior do esôfago.

Acalasia

Acalasia é um distúrbio do esôfago, o tubo que transporta o alimento da boca ao estômago. Esta condição afeta a capacidade do esôfago de transportar alimentos para o estômago.

Você deve visitar seu médico de atenção primária nas próximas 24 horas, onde a imagem e a exploração de seus problemas de deglutição poderão ser totalmente avaliadas. Com o diagnóstico, o tratamento geralmente é cirúrgico e os resultados são bons.

Raridade: Ultra raro

Principais sintomas: dor abaixo das costelas, regurgitação, perda de peso não intencional, azia, dor profunda no peito, atrás do esterno

Urgência: Médico de cuidados primários

Tratamentos e alívio para azia

Tratamentos caseiros

Você pode tentar as seguintes mudanças no estilo de vida para ajudar a combater os sintomas de azia.

  • Coma de maneira mais inteligente: Evite comer pelo menos três horas antes de dormir, diminua o tamanho das porções ou coma porções menores ao longo do dia e não coma muito rápido. Limite ou remova alimentos e bebidas ácidas de sua dieta, especialmente álcool.
  • Perder peso: Isso ajudará sua saúde e diminuirá a azia.
  • Parar de fumar: Isso ajuda uma variedade de problemas de saúde, incluindo azia.
  • Levante a cabeceira da sua cama: Experimente dormir do lado esquerdo ou com a cabeça elevada. Você pode levantar a borda da cama em blocos de concreto ou usar travesseiros.
  • Medicamento: Existem medicamentos prescritos e vendidos sem receita que podem ajudar a prevenir a azia. Os antiácidos podem proporcionar alívio quase imediato. Os inibidores da bomba de prótons e os bloqueadores H2 são para sintomas mais crônicos.
  • Bicarbonato de sódio: O bicarbonato de sódio pode neutralizar o ácido estomacal. Experimente misturar uma colher de chá de bicarbonato de sódio em um copo de água e beber assim que os sintomas começarem.

Quando consultar um médico

Se você estiver apresentando algum dos seguintes sintomas de azia, é hora de marcar uma consulta com seu médico.

  • Seus sintomas de azia aumentam em frequência e gravidade
  • Você temdificuldade para engolirlíquidos ou sólidos
  • Sua azia às vezes faz você vomitar
  • Você começa aperder peso sem querer
  • Você depende de antiácidos por mais de duas semanas de forma consistente
  • Medicamentos para azia não parecem ajudar

Perguntas frequentes sobre azia

O estresse pode causar azia?

O estresse é um dos principais fatores de risco para azia e pode piorar a azia. Alguns acreditam que o estresse diário pode alterar o seu limiar de dor, tornando-o mais sensível. Alguns estudos também mostram que o estresse pode agravar os danos que o ácido causa ao esôfago.

Como saber se você tem azia?

A azia geralmente se apresenta na forma de dor no peito, regurgitação (material ácido misturado com pequenas quantidades de comida não digerida) e dificuldade para engolir. Às vezes, também provoca tosse e sensação de nó na garganta.

O que causa azia frequente?

Uma causa comum de azia frequente é um esfíncter esofágico inferior (LES) fraco ou relaxado, um anel circular de músculo do esôfago que impede o retorno do conteúdo do estômago para o esôfago. Se o músculo diafragma estiver muito fraco, o estômago também pode deslizar parcialmente através do diafragma para o tórax (hérnia de hiato), aumentando a probabilidade de refluxo ácido. A obesidade e a gravidez são fatores contribuintes comuns.

Como é a azia?

O refluxo ácido ocorre quando o ácido que normalmente está no estômago retorna para o esôfago, o tubo que transporta o alimento da boca ao estômago. Uma pequena quantidade de refluxo ácido é normal. Se o refluxo ocorrer com frequência, pode causar sensação de azia devido à irritação do revestimento esofágico.

Qual é a sensação de azia durante a gravidez?

A azia ocorre em 30–50% das gestações, pois o esfíncter esofágico fica mais frouxo do que o normal. Pode se manifestar como sensação de queimação no peito e/ou garganta, gosto ácido na boca, dor no estômago ou no peito, náusea/vômito, dificuldade para engolir, voz rouca ou dor de garganta ou tosse.

Perguntas que seu médico pode fazer sobre azia

  • Você arrota alimentos ou líquidos após uma refeição?
  • Você sentiu alguma náusea?
  • Você fuma atualmente?
  • Qual é a sua massa corporal?

Faça o autodiagnóstico com nosso aplicativo gratuitoAssistente de Bóia se você responder sim a alguma dessas perguntas.

Share your story
Once your story receives approval from our editors, it will exist on Buoy as a helpful resource for others who may experience something similar.
The stories shared below are not written by Buoy employees. Buoy does not endorse any of the information in these stories. Whenever you have questions or concerns about a medical condition, you should always contact your doctor or a healthcare provider.
Dr. Peter Steinberg is a board-certified urologist and the director of endourology and kidney stone management at Beth Israel Deaconess Medical Center. He is also an Assistant Professor at Harvard Medical School. He received his undergraduate degree in biochemistry from Middlebury College (1999) and graduated from University of Pennsylvania Medical School (2003). He completed a urology residency a...
Read full bio

Was this article helpful?

Tooltip Icon.
Read this next
Slide 1 of 3

References

  1. Heartburn. U.S. National Library of Medicine: MedlinePlus. Updated December 6, 2018. MedlinePlus Link.
  2. Naliboff BD, Mayer M, Fass R, et al. The effect of life stress on symptoms of heartburn. Psychosom Med. 2004;66(3):426-434. NCBI Link.
  3. Diet changes for GERD. IFFGD. Updated November 7, 2017. IFFGD Link.
  4. Smoking and the digestive system. National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases. Published September 2013.
  5. Hiatal hernia. U.S. National Library of Medicine: MedlinePlus. Updated April 30, 2018. MedlinePlus Link.
  6. Warning signs of a heart attack. American Heart Association. Updated June 30, 2016. AHA Link.
  7. Gerson LB. Treatment of gastroesophageal reflux disease during pregnancy. Gastroenterol Hepatol (N Y). 2012;8(11):763-4. NCBI Link.